Um lago de carpas, um passeio de bicicleta no Ibirapuera – Coluna Jacqueline Flores

13 de junho de 2022

Foto autoral / 

Você já leu algum livro que te deixou com vontade de visitar um lugar mencionado durante a história? 
Foi assim que eu me senti lendo “Para Continuar” do escritor brasileiro Felipe Colbert, Editora Novo Conceito.
Eu comprei o exemplar em uma feira de livros no shopping sem nunca ter visto nenhuma resenha sobre ele e tive uma agradável surpresa com a leitura. O livro tem como base o romance entre os jovens Ayako e Leonardo, o bairro da Liberdade em São Paulo, as encantadoras e mágicas lanternas japonesas e também outros pontos da cidade que o casal passa a frequentar em seus encontros, como o Parque Ibirapuera.

Mas, não se precipite em pensar que a história se trata de um romance meloso apenas, pois os elementos de fantasia que envolvem a guarda de um porão secreto na loja da família de Ayako, a aventura e a ação envolvendo a máfia japonesa que vão surgindo a cada capítulo, agitam a história e tornam a leitura instigante, quebrando qualquer possível estagnação que o livro pudesse caracterizar por se tratar de um romance.


Foto autoral / 

Eu já visitei a cidade São Paulo diversas vezes, já que resido bem próximo a ela, e destaco a Avenida Paulista como ponto necessário a se conhecer, pois é uma delícia passear por ela, admirar seus prédios, seus artistas urbanos exibindo inúmeras facetas e vendendo seu trabalho, adentrar as lojas que são muito maiores do que as que existem nos shoppings e oferecem muito mais opções de vestuário, sapato e acessórios, e aproveitar uma parada para abastecer as energias em alguma das lanchonetes, cafés ou padarias, disponíveis ao longo da avenida. Porém, nunca tive a oportunidade de visitar o Bairro da Liberdade, tão famoso e conhecido nacionalmente pela sua identidade cultural e gastronômica, nem mesmo consegui visitar o belo Parque Ibirapuera, em que os paulistanos se refugiam e relaxam junto à natureza depois de uma semana agitada de trabalho e muito estresse.

Por isso, fico sonhando até hoje com o dia em que vou poder admirar o lago de carpas do parque direto da ponte de madeira em que os personagens protagonizaram uma das cenas mais bonitas do livro, e percorrer seus caminhos de bicicleta por dentre o verde majestoso de sua natureza, sentindo o frescor na alma e a felicidade que os personagens sentiram quando fizeram juntos este mesmo trajeto em suas bicicletas! Cenas que li apenas uma vez, mas que continuam sendo exibidas no meu cinema da mente e fazem ter a certeza de que esta é uma daquelas histórias de momentos tão vivos que precisávamos poder assistir!

Uma coisa é certa: o dia em que finalmente isso acontecer, uma nova coluna sobre o livro surgirá espontaneamente!

E aí, qual é a cena de livro que você “re-assiste” sempre na sua memória, assim como eu, e que gostaria de poder assistir nas telas, no cinema, na televisão, transformada em filme?

#paracontinuar #felipecolbert #temposliterarios #colunajacquelineflores #parqueibirapuera #bairrodaliberdade

7 comentários

  1. Tão bom quando apostamos num livro e ele torna-se uma grata surpresa.
    Ainda mais quando ele nos transporta a outro lugar, pois é esse o real propósito dos livros: nos fazer viajar.
    Achei a capa uma gracinha.

    Danielle Medeiros de Souza
    danibsb030501@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Danielle. Obrigada pela sua leitura e comentário!
      Esta capa é mesmo cativante!
      Venha sempre!

      Excluir
  2. Nossa, eu amo essa sensação de escolher um livro do nada e ele se tornar o seu favorito. Eu tenho feito isso com a maioria dos que se tornaram meus favoritos da vida, no geral, sempre dá certo. Eu tenho essa sensação de estar em outro universo com o box Amor e Livros, dá muito essa sensação, ai como eu amo. Amei conhecer essa história e como você se identificou com ela. Definitivamente, acho vou dar uma chance. Que incrível. Cheirinhos de livro novo.

    ResponderExcluir
  3. Jacqueline!
    Gosto muito do autor. Já li esse e outro livro dele que é maravilhoso também.
    Morei em São Paulo por 12 anos e o bairro da Liberdade era meu favorito e estava sempre por lá, porque painho trabalhava lá. O Ibirapuera era refúgio de leitura e de passeios com a bicicleta. Muita saudades.
    A cena que mais me vem a memória são as diversas lanternas, isso sim gostaria de ver pessoalmente.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Adoro esse tipo de leitura, principalmente reunindo tantos elementos que nos prendem, fascinam e emocionam. Realmente cenas assim parecem grudar na nossa mente. Eu conheço alguns lugares de São Paulo, mas também ainda não na Liberdade. Gostei dessas aventuras envolvendo a máfia japonesa. Nossa! São tantas cenas que já imaginei indo para o cinema.

    ResponderExcluir
  5. Creio que desejamos conhecer vários lugares quando lemos um livro, pois cada um nos faz viajar para o local onde a história acontece. Eu fiquei encantada quando li A fênix de Fabergé e a história se iniciava aqui em Manaus, gostaria de ver esse livro nas telas.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Uau, que adorei conhecer esse livro, ainda mais porque conheço esses cenários, então acredito que a leitura vai ser ainda mais bacana.

    ResponderExcluir